mobilitec

ergometrica

Ortopedia Moderna

Lismedica

Mais que Cuidar

Ortopedia Universo Senior
Stannah Mobilidade S.A

Autopedico

Invacare

Pros Avos

Ortopediareal

Contacte-nos
sembarreiras

Tecnomobile

TotalMobility

Multihortos

Drive Mobility

Contacte-nos

Autor Tópico: Braille ajuda reintegração social de cegos e amblíopes  (Lida 98 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline SLB2010

Braille ajuda reintegração social de cegos e amblíopes
César André |

5 de Janeiro, 2018

Arcângela Bernardo, 24 anos, nasceu cega. Moradora do bairro dos Mulenvos de Baixo, em Viana, dependia dos pais, na infância e parte da adolescência, para ler um texto. Mas, há quatro anos, aprendeu a manusear o sistema Braille e agora sente-se apta para ler e escrever.


Estudantes do Ensino Especial alargaram o leque de conhecimentos de leitura e de escrita através do uso do Braille
Fotografia: Mavitide João Mulaza | Edições Novembro | Uíge

“Hoje, eu consigo ter mais independência para ler, escrever, explicar... enfim, tudo para ter um futuro melhor”, diz a jovem, que frequenta o segundo ano do Ensino Especial, na Escola Óscar Ribas, em Luanda.
A deficiente visual é de opinião que o Executivo deve ampliar o acesso de  crianças cegas ou com baixa visão, para que sejam incluídas, em escolas do Ensino Especial, o mais cedo possível para sua formação.
"Escrever manualmente é indispensável para o desenvolvimento cognitivo de crianças que enxergam. Para as crianças cegas, é indispensável o uso do Braille para a sua alfabetização", ressalta a deficiente visual, Arcângela Bernardo.
Em seu entender, “se a gente considerar que a maior conquista da humanidade foi a invenção da escrita, as pessoas com deficiência visual ficaram quase cinco mil anos afastadas dessa conquista”, sublinhando que “foi a partir da criação do sistema Braille, no século 19, que nós, os invisuais tivemos acesso à escrita e à leitura”.
E a partir daí, sublinhou a entrevistada do Jornal de Angola, foi possível a educação, a profissionalização, o aceso à cultura e a todo tipo de informação.   
Manuel Tiago, presidente da Associação Nacional de Apoios aos Deficientes Visuais (ANADEV), diz que a importância do Braille, para as pessoas com deficiência visual no mundo é a de dar acesso à cultura, formação académica, integração  no trabalho.
Em suma, de acordo com Manuel Tiago, a criação do Braile representa para os portadores de deficiência visuais, a saída definitiva de vários séculos de marginalização dos cegos, desde a antiguidade.
Hoje, disse o presidente da Associação Nacional de Apoio aos Deficientes Visuais, o uso da internet, ordenadores e Braille Spic, já permitem aos membros da população alvo fazer o que era impossível.
Pedro Mabilama Manuel, director geral da Escola do Ensino Especial Óscar Ribas, sublinha que o Braille tem muita importância para as pessoas com deficiência visual, principalmente os cegos e amblíopes, para o seu aprendizado.
Segundo ele, todos alunos, com deficiência visual, formados naquela escola e não só, estão em condições de estudar em outras escolas normais, bastando para o efeito levar o instrumento de escrita, a máquina em Braille.
A Associação Nacional de Cegos e Amblíopes de Angola (ANCAA), considera o Braille instrumento muito valioso para as pessoas com deficiência visual, acrescentando ser uma “muleta” indispensável para os cegos e para os amblíopes.
Armando Baleia, entende que a oportunidade de aprender a ler em Braille e, posteriormente, de frequentar uma escola, tem sido um dos grandes desafios que se coloca às pessoas com deficiência visual.

Manuais produzidos no país
Cerca de 16 mil manuais e outros materiais específicos para os alunos com deficiência visuais, vão ser utilizados, a partir do ano lectivo de 2018, nas 20 Escolas do Ensino Especial existentes, foram produzidos em Angola na Unidade Gráfica de produção Braile.
Investido pelo Governo angolano, a unidade é constituída por equipamentos com tecnologia de ponta, tem capacidade de produzir 25 mil manuais da Iniciação à Sexta classe e prestará serviços intensivos até ao Ensino Superior Especial.
Além dos manuais em Braille, serão produzir outros materiais pedagógicos específicos, com vista a redução de encargos financeiros, antes feitos com as importações. A gráfica deverá ainda efectuar a impressão de guias e outros documentos metodológicos para o ensino da Língua Portuguesa, o Código Unificado de Matemática, Física, Química e Grafismo.


Fonte: http://jornaldeangola.sapo.ao/sociedade/braille_ajuda_reintegracao_social_de_cegos_e_ambliopes
 

 



Anuncie Connosco Anuncie Connosco Stannah Mobilidade S.A Anuncie Connosco Anuncie Connosco


  •   Política de Privacidade   •   Regras   •   Fale Connosco   •  
       
Voltar ao topo