mobilitec

ergometrica

Ortopedia Moderna

Lismedica

Anuncie Aqui
Stannah Mobilidade S.A

Autopedico

Invacare

Pros Avos

Ortopediareal
Anuncie Aqui

Tecnomobile

TotalMobility

Multihortos

Drive Mobility

Últimas Mensagens

Páginas: [1] 2 3 ... 10
1
Noticias / Re: AINDA A PRESTAÇÃO SOCIAL PARA A INCLUSÃO
« Última mensagem por hyperrush em Hoje às 13:44 »
Fui  à loja da Frustração (Cidadão), e dizem como já recebo o componente base, não há direito a pedir mais nada LOLOLOLOL. Irei falar com a minha assistente social dado que isto francamente só veio disparatar os serviços. :hum:
2
Olá Pessoal,

alguém sabe alguma novidade sobre este assunto? Isto está mesmo a funcionar?

Estou a pensar ingressar no Ensino Superior mas este financiamento seria essencial para tomar a decisão...

Obrigada
3
Participação das pessoas com deficiência na atividade política é uma necessidade


As pessoas com deficiência, uma parte substancial da população, continuam a confrontar-se com inúmeros obstáculos sendo-lhes dificultado ou mesmo impedido o exercício de uma cidadania ativa.

17 de Outubro, 2018 - 22:06h

Jorge Falcato

A possibilidade de todos os cidadãos participarem ativamente na vida política é um princípio básico de qualquer sociedade democrática.

Impedir ou limitar esse direito à participação é próprio de ditaduras e regimes autoritários.

Regimes que de certeza todos repudiamos. No entanto, o que verificamos é que em países que todos consideramos democráticos não está assegurado às pessoas com deficiência o direito à participação na vida política. As pessoas com deficiência, uma parte substancial da população, continuam a confrontar-se com inúmeros obstáculos sendo-lhes dificultado ou mesmo impedido o exercício de uma cidadania ativa.

Antes de mais, devo dizer que considero que a participação das pessoas com deficiência na atividade política não é só um direito mas também uma necessidade e um dever.

Se defendemos o modelo social de deficiência, um modelo que se baseia nos direitos humanos, e acreditamos que a deficiência é uma construção social e que a exclusão a que estamos sujeitos resulta da forma como se organiza a sociedade, a única solução que temos para melhorar as condições de vida das pessoas com deficiência é através da alteração da sociedade, da promoção de alterações sociais e isso só se alcança através da intervenção política

Por isso, quando falamos de participação política temos de começar por falar de nós e da necessidade de aumentar a participação e politizar o ativismo das pessoas com deficiência.

Para que exista um aumento da participação das pessoas com deficiência, para além da eliminação de obstáculos e práticas negativas de que falarei mais adiante, será necessário, na minha opinião, termos consciência da situação de opressão e discriminação social em que vivemos. É dessa consciência que nasce a vontade de agir e participar na ação política.

Para atingir este objetivo será necessário acabar com efeitos nefastos e paralisantes do paternalismo e das políticas assistencialistas a que estão sujeitas muitas pessoas com deficiência.

No entanto, todos sabemos que não basta o desejo de participar, é necessário ter condições para o fazer.

Quando falamos na participação política é frequente restringirmos à oportunidade de exercer o direito de voto. Mas a participação política é e terá de ser muito mais do que isso.

É poder participar nos movimentos cívicos, nas associações de pessoas com deficiência, nos partidos. É ser envolvido pelos governos na discussão das políticas que nos afetam. É ter acesso à informação. É haver transportes e um meio ambiente acessível.

É mesmo muito mais do que conseguir meter um boletim de voto numa urna, como é referido, aliás, no artº 29º da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com deficiência, que recordo foi subscrita pela União Europeia já lá vão 11 anos, os Estados partes não só têm de assegurar todas as condições necessárias ao exercício do direito de voto, mas também promover “activamente um ambiente em que as pessoas com deficiência possam participar efectiva e plenamente na condução dos assuntos públicos, sem discriminação e em condições de igualdade com os demais e encorajar a sua participação nos assuntos públicos”

São muitos os obstáculos a remover para que este artigo da Convenção se torne realidade.

Embora a maioria dos estados que integram a união europeia tenham ratificado esta convenção, 21 dos 28 estados mantinham ainda em 2014 algumas restrições jurídicas ao direito de voto. O principal problema prende‑se com a negação do direito de eleger ou ser eleito a pessoas privadas de capacidade jurídica. Na maioria dos Estados-Membros, uma pessoa que é alvo de uma decisão privativa da sua capacidade jurídica fica automaticamente impedida de votar. Uma clara violação da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência.

Também ao nível da acessibilidade nem tudo está bem. Embora a maioria dos estados disponham de normas em matéria de acessibilidade e cerca de metade até tem normas sobre a acessibilidade das secções de voto, continuam a existir demasiadas situações em que não são asseguradas condições de acessibilidade que assegurem o direito da pessoa com deficiência a votar autonomamente. É ainda de referir que as normas existentes são na sua maioria dirigidas às pessoas com deficiência motora esquecendo as necessidades de pessoas com outro tipo de deficiência.

O acesso à informação, condição indispensável para qualquer pessoa se envolver, é particularmente difícil para as pessoas surdas, mas também as pessoas cegas têm dificuldade na navegação na internet dado o incumprimento das normas de acessibilidade existentes, ou ainda as pessoas com algum perfil neurocognitivo atipico / divergente a quem não é facultada informação acessível que cumpra as regras da leitura fácil, por ex. Sem acesso à informação é impossível haver uma participação esclarecida ou, mesmo, motivação para a participação.

Neste caso as responsabilidades não são unicamente dos estados ou das empresas de comunicação social. Os partidos políticos, que são os principais emissores da comunicação política, têm de ter a preocupação de prever não só a acessibilidade aos materiais e ações de campanha, mas também criar as condições necessárias às pessoas com deficiência para participarem na definição das políticas que propõem e na militância partidária.

O envolvimento das pessoas com deficiência na definição das políticas nacionais e europeias é fundamental e também decorre dos compromissos assumidos pelos estados e pela união europeia ao ratificarem a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. É uma obrigação do poder político ouvir as organizações representativas na definição de políticas que afetem as pessoas com deficiência. Não só ouvir. A opinião destas organizações tem de se refletir nas políticas em análise.

O velho slogan “nada sobre nós sem nós” não pode ser só uma frase bonita, tem de ter consequências práticas.



Fonte: Esquerda Net
4
Governo Regional reforça apoios para o Desporto Adaptado já em 2018/2019

PAULO VIEIRA LOPES / MADEIRA / 17 OUT 2018 / 16:01 H.


Foto SRE

A Madeira passará a contar já na época 2018/2019 com um reforço no apoio às iniciativas que envolvem o Desporto Adaptado.

A notícia foi confirmada pelo Director Regional da Juventude e Desporto, David Gome, por ocasião da apresentação pública da Taça do Mundo de Paratriatlo e Taça da Europa de Triatlo que se realiza nos próximos dias 27 e 28 de Outubro na cidade do Funchal.

“Posso afirmar que o PRAD (Plano Regional de Apoio ao Desporto) para 2018/2019 irá majorar os apoios às iniciativas que envolvam o desporto adaptada. A Madeira cada vez mais, está mais sensibilizada para o desporto adaptado, ou paralímpico sendo um grande pólo em termos internacionais na realização de competição a grande escala assim como em iniciativas formativas relacionadas com esta realidade.”

De referir que no dia 28 de Outubro a Madeira servirá de palco, pela primeira vez de uma prova internacional de paratriatlo, desta feita a oitava e derradeira etapa da Taça do Mundo de 2018. Para além da competição, a Região irá ainda acolher um programa de acções formativas da Federação Internacional de Triatlo com especial destaque para o seminário internacional de formação de classificadores de Paratriatlo, assim como a formação para classificação internacional de Paratriatletas Estas acções irão decorrer entre os dias 24 a 27 de Outubro no Casino Pestana.


Fonte: http://www.dnoticias.pt/desporto/governo-regional-reforca-apoios-para-o-desporto-adaptado-ja-em-2018-2019-AI3831604#
5
Noticias / Assaltantes devolvem cadeira de rodas após denúncia no Facebook
« Última mensagem por Claram em Hoje às 10:47 »


Assaltantes devolvem cadeira de rodas após denúncia no Facebook


No passado sábado à noite, por volta das 21h10, Maria Pereira foi surpreendida com o desaparecimento da sua cadeira de rodas, nas Torres das Flores, em Vila Real.


Como é seu hábito, devido ao trabalho que o seu único meio de transporte implica em desmontar, Maria optou por não o levar consigo no automóvel, uma vez que se tratava de uma deslocação rápida. Quando chegou, passado cerca de 40 minutos, a cadeira de rodas tinha desaparecido do local, perto do sítio onde costuma estacionar.


Fonte: https://www.avozdetrasosmontes.pt/noticia/19524
6
Noticias / Re: AINDA A PRESTAÇÃO SOCIAL PARA A INCLUSÃO
« Última mensagem por AREZ em Hoje às 02:46 »
Grato pelos esclarecimentos forista Arez.

O que se calhar mais tenho constatado durante este mês, é que as pessoas que trabalham na área da Segurança Social, não estão ou estavam aptas a saber explicar as pessoas que podem ter as suas dúvidas qualquer esclarecimento, ou seja tenho mais denotado, desde o dia 1 de Outubro, que os funcionários interpretam a informação, ou ecretos lei, mediante o seu ponto de vista pessoal.

Eu por exemplo tive o cuidado de nas primeiras duas semanas ler e reler toda a informação, e mesmo assim fiquei com uma dúvida ou outra.

Eu deduzo que os meus raciocínios ou interpretações não estejam tão erráticos, daí que a partida se formos só avaliar os meus rendimentos (sem contar com os rendimentos do agregado familiar), teria direito ao complemento, porque estaria abaixo do patamar anual dos 5175,84€, algo que já não acontece no decorrer deste ano de 2018, em que os meus rendimentos superam o próprio valor anual estabelecido para o complemento.

Portanto talvez só por esta linha de pensamento teria direito a um ano de complemento, tendo em conta os meus rendimentos de 2017.

Agora logicamente que se formos fazer as ditas contas como me explicaram telefonicamente, nem direito ao complemento tenho, seja com os valores do agregado familiar incluidos seja de 2017 ou 2018.

Mas também se tiver de meter o requerimento, para apurar que o valor final do complemento é Zero, que assim seja!

Oiça os funcionários interpretam mal ,os srs secretários de estado e deputados iludem os carenciados em que ficamos?

Ninguém lhe explicou isto?

Os dois apoios são calculados de maneira distinta. Enquanto a prestação base é calculada com base apenas nos rendimentos individuais da pessoa com deficiência, o complemento olha para todo o agregado. Tem em conta os rendimentos dos familiares em linha recta ou colateral do 1.º grau (cônjuge e filhos). Rendimentos de avós e netos não entram. Fora das contas ficam também algumas prestações não contributivas – como o rendimento social de inserção, o complemento solidário para idosos ou o complemento por dependência –, uma parte dos rendimentos de trabalho da pessoa com deficiência e uma parte da componente base da PSI, quando se aplica.

Estes rendimentos são, depois, comparados com o limiar máximo do complemento. O que é isso? É o resultado da multiplicação do valor máximo da prestação (431,32 euros) pelo coeficiente do agregado familiar. Este, por sua vez, corresponde à soma dos ponderadores atribuídos à pessoa com deficiência (1), aos adultos da família (0,7) e às crianças (0,5). No fim de contas, se os rendimentos da família forem superiores ao limiar, não se atribui complemento. Se os rendimentos forem inferiores é atribuída essa diferença, até um máximo de 431,32 euros. O apoio apenas ultrapassa este tecto se houver na mesma família mais do que uma pessoa com deficiência.
7
Noticias / Re: AINDA A PRESTAÇÃO SOCIAL PARA A INCLUSÃO
« Última mensagem por AREZ em 18/10/2018, 23:26 »
Pois mas eu estou a falar no carimbo da segurança social que devia levar bem como a assinatura de alguém que lá trabalhe

Não se preocupe pois é tudo validado electronicamente. Isto vai-se cruzar os dados e rendimentos com a DGCI e a nivel interno com a seg.social.

Tinham feito somente um formulário para se identificar o agregado pois é isso que se pretende e outro campo somente com os rendimentos. Ponto Final

Tudo à pazada dá nisto além do guia prático que mistura a componente base e complemento ao mesmo tempo e vem baralhar a cabeça das pessoas que obviamente necessitam de ser esclarecidas.

Enfim ... Votos de uma noite tranquila e agora aguarde a decisão dos serviços daqui a uns mesinhos.

8
Noticias / Re: AINDA A PRESTAÇÃO SOCIAL PARA A INCLUSÃO
« Última mensagem por jpcs94 em 18/10/2018, 22:49 »
Ora Viva

Olhe como neste nosso pais é tudo bem feito pelos engenheiros informáticos é uma salganhada...

Aconselho que Imprima o formulário , Assine e Digitalize e proceda ao envio.

Cumprimentos

Arez

Pois mas eu estou a falar no carimbo da segurança social que devia levar bem como a assinatura de alguém que lá trabalhe
9
Noticias / Re: AINDA A PRESTAÇÃO SOCIAL PARA A INCLUSÃO
« Última mensagem por AREZ em 18/10/2018, 22:38 »
Bom dia forum!

Não vá o diabo tecê-las e não me deferirem o meu requerimento, preenchi online e imprimi para assinar, digitalizei e anexei, e requerimento enviado com sucesso.
Agora é aguardar tranquilamente pelo deferimento do complemento de 0,00€ e constatar que o meu mealheiro ganhou mais uma carquilha.



Toma lá a cesta de presentes... Isto a nível estatal é hilariante !

Temos de brincar um pouco em meio à desgraça deste estado que nos desgoverna.. Um forte abraço e muita força na caminhada, qualquer coisa que necessites que esteja ao alcance manda mensagem privada.




Arez
10
Noticias / Re: AINDA A PBOM DIARESTAÇÃO SOCIAL PARA A INCLUSÃO
« Última mensagem por AREZ em 18/10/2018, 22:32 »
bom dia
mais uma pergunta o anexo mesmo para meter pela ssd tem de ser imprimido para assinar e depois digitalizar?

Exactamente é o melhor.
Páginas: [1] 2 3 ... 10


Anuncie Connosco Anuncie Connosco Stannah Mobilidade S.A Anuncie Connosco Anuncie Connosco


  •   Política de Privacidade   •   Regras   •   Fale Connosco   •  
       
Voltar ao topo