iacess

ergometrica

Ortopedia Moderna

Anuncie Aqui

mobilitec
Stannah Mobilidade S.A

Autopedico

Invacare

Pros Avos

Anuncie Aqui
myservice

Tecnomobile

TotalMobility

Multihortos

Drive Mobility

Últimas Mensagens

Páginas: 1 ... 5 6 [7] 8 9 10
61
Apresentações & Regras / Re: Bem vindo Katie
« Última mensagem por migel em 22/03/2020, 19:40 »
Olá katie!
bem vinda ao deficiente-forum.
Espero que goste e participe.

Qualquer duvida disponha  :good:

62
Duvidas & Ajudas / COVID-19 Medidas Relativas a Pessoas com deficiência
« Última mensagem por AREZ em 22/03/2020, 18:46 »
Atendendo à emergência de saúde pública de âmbito internacional declarada pela OMS, importa acautelar informar sobre novas diretivas e orientações a disponibilizar, quer às pessoas com deficiência e suas famílias, quer às entidades que desenvolvem respostas sociais na área da deficiência.

ANEXO PDF
63
Apresentações & Regras / Re: Bem vindo Katie
« Última mensagem por Katie em 22/03/2020, 17:46 »
Olá! Obrigada! 😊 😊
64
Apresentações & Regras / Bem vindo Katie
« Última mensagem por Neo em 22/03/2020, 13:57 »
Bem-Vindo Katie ao Deficiente-Forum.  

Agradecemos a tua inscrição no nosso Fórum e esperamos poder ajuda-lo no que for preciso, também esperamos poder aprender muito com a sua sabedoria e disponibilidade para o que seja necessário.

Faça agora sua apresentação neste post.

Obrigado
A Administração
65
Notícias de saúde / Re: Tudo relacionado com o Coronavírus
« Última mensagem por migel em 22/03/2020, 11:14 »
Covid-19: Mais de 300 mortos e quase 5.000 infetados em Espanha nas últimas 24 horas

Lusa
A Espanha registou nas últimas 24 horas 324 mortos com o novo coronavírus e um aumento de 4.946 no número de infetados, de acordo com a atualização diária feita pelas autoridades de saúde do país

Segundo os números do Ministério da Saúde espanhol, desde o início do surto, o país teve um total de 24.926 casos da pandemia da covid-19, dos quais 1.326 morreram e 2.125 foram curados.

A região mais atingida pela covid-19 é a de Madrid, com 8.921 infetados e 804 mortos, seguida pela da Catalunha (4.203 e 122), a do País Basco (1.725 e 85) e a da Andaluzia (1.515 e 40).



fonte: Visão
66
Notícias de saúde / Re: Tudo relacionado com o Coronavírus
« Última mensagem por migel em 22/03/2020, 11:09 »
Máscaras, sim ou não, afinal?

As máscaras são, neste momento, quase tão raras como o papel higiénico. E até há sítios a vendê-las a 10 euros. Mas, afinal, são assim tão imprescindíveis?

Na rua já não se vê muita gente de rosto destapado. Mas será essa a melhor forma de nos defendermos do novo coronavírus?

Se recuarmos ao início da pandemia, encontraremos um discurso coerente por parte da Direção-Geral da Saúde (DGS) e da Organização Mundial de Saúde (OMS): as máscaras são úteis às pessoas infetadas, aos casos suspeitos de infeção e às pessoas que contactam muito de perto com doentes (pessoal de saúde e cuidadores).

Mas nem por isso os portugueses acataram estas recomendações, pois as máscaras cirúrgicas estão quase esgotadas nas farmácias e, quando elas existem, a especulação tomou conta das transações – já há casos em que custam 10 euros. A procura aumentou 1829%, em fevereiro, face ao período homólogo do ano passado, segundo a Associação Nacional de Farmácias.

Para saber mais
Taxa de mortalidade do Covid-19 em Itália atinge aterradores 9%
Bill Gates avisa que, se tudo correr bem, quarentena pode durar dois a três meses – mas só resolverá o problema nos países ricos…
Covid-19: hospitais públicos e privados de mãos dadas. Como funciona, na prática, esta união
Covid-19: britânica que se filmou no hospital com dificuldade em respirar recebe avalanche de mensagens a duvidar do vídeo
Uma leitura ao Plano Nacional de Preparação e Resposta à Doença por novo coronavírus (COVID-19), elaborado pela DGS, deixa a questão bem clara: “As máscaras faciais são máscaras descartáveis para procedimentos cirúrgicos ou médicos e formam uma barreira física que previne a transmissão de vírus de uma pessoa doente para uma pessoa saudável, ao bloquear as partículas respiratórias/aerossóis expelidas pela tosse ou espirro. A utilização de máscara facial por pessoas doentes durante surtos ou pandemias é útil para impedir a propagação do vírus a contatos próximos ou outras pessoas da comunidade.”

No entanto, não existe evidência que comprove a redução da propagação da infeção em pessoas sem sintomas e, por isso mesmo, só se recomenda a sua utilização em cuidadores de doentes no domicílio, em casos de suscetibilidade acrescida como, por exemplo, imunodeprimidos. Neste último exemplo, o uso deve ficar reservado para uma fase de mitigação, em situações de grandes aglomerados populacionais ou numa ida a serviços de saúde. Quando se anda sozinho na rua, a passear o cão, por exemplo, não há qualquer necessidade de a boca ficar tapada.

Pior a emenda…

A todos os outros, a medida recomendada é sempre a lavagem profunda de mãos, já que o uso incorreto da máscara pode até aumentar o risco de infeção. Ao ser mal colocada, acentua o contacto das mãos com a cara. Além disso, e à semelhança da utilização de luvas descartáveis, contribui para uma sensação falsa de segurança.

Se tiver mesmo de se munir de máscara, saiba como fazê-lo corretamente, assistindo a este vídeo da OMS.

Além das máscaras de proteção unidirecional (as mais comuns), existem também as FFP2 e FFP3 de proteção bidirecional para pequenas ou micro partículas. Trata-se de um respirador que as filtra, ajusta-se à cara e, como seria de calcular, sai bastante mais caro do que conhecidas como cirúrgicas. Estes dispositivos devem, por isso, ser deixados para o pessoal de saúde, bombeiros e forças de segurança, já que eles não existem em número suficiente para toda a população doente.

“A medida essencial para evitar a infeção não é usar a máscara, é o distanciamento social”, frisou Graça Freitas. E esse, por enquanto, não padece de especulação.



Fonte: Visão
67
Notícias de saúde / Re: Tudo relacionado com o Coronavírus
« Última mensagem por migel em 22/03/2020, 10:46 »
Governo prorroga prazos das inspeções automóveis por causa do coronavírus
Lusa
21 Março 2020

Os veículos que devessem ser apresentados à inspeção entre 13 de março e 31 de maio de 2020 veem o seu prazo prorrogado por dois meses contados da data da matrícula.

OMinistério das Infraestruturas e da Habitação anunciou este sábado que vai prorrogar os prazos das inspeções automóveis, no âmbito das medidas excecionais e temporárias de resposta à Covid-19.

Assim, os veículos a motor e seus reboques, ligeiros ou pesados, que devessem ser apresentados à inspeção periódica no período entre 13 de março e 31 de maio de 2020 veem o seu prazo prorrogado por dois meses contados da data da matrícula, referiu.

“Durante este período, o incumprimento da obrigação de inspeção periódica não releva para efeitos de seguro de responsabilidade civil automóvel ou do direito de regresso da empresa de seguros”, sublinhou.

Covid-19. Mais doentes vão ser tratados em casa


Continue a lêr: https://eco.sapo.pt/2020/03/21/governo-prorroga-prazos-das-inspecoes-automoveis/
68
Comunicados da Administração / Re: Flyer Deficiente-Forum #Ficaemcasa
« Última mensagem por 100nick em 21/03/2020, 21:15 »
Recebido e aceite  :cump:
69
Lenine Cunha treina na garagem com Jogos Paralímpicos na mira

A presença nos Jogos Paralímpicos Tóquio2020 continua a ser "o foco principal" do atleta Lenine Cunha, mas os treinos para a desejada obtenção de mínimos estão a ser feitos na garagem.


Agência Lusa
Texto
21 mar 2020, 09:16 1
   

▲"Com tudo isto, só posso treinar na garagem, tenho lá um miniginásio, e é lá que trabalho todos os dias."

Enquanto dormia - o Miguel Pinheiro ou a Filomena Martins preparam para si um guia resumido do que se passa, logo de manhã pelas 9h00, todos os dias úteis.


A presença nos Jogos Paralímpicos Tóquio2020 continua a ser “o foco principal” do atleta Lenine Cunha, mas agora a pandemia da Covid-19 obriga a que os treinos para a desejada obtenção de mínimos sejam feitos na garagem.


“Com tudo isto, só posso treinar na garagem, tenho lá um miniginásio, e é lá que trabalho todos os dias. Além disso, como vivo numa zona algo isolada e que tem uma boa rampa, consigo fazer alguns exercícios na rua, sempre com todos os cuidados”, conta o atleta à agência Lusa.

Lenine Cunha, medalha de bronze no salto em comprimento F20 (deficiência intelectual) dos Jogos Paralímpicos Londres2012, explica que todo o trabalho é feito de acordo com um plano do treinador José Costa Pereira, com quem trabalha há 21 anos, e garante: “Parar é que não posso.”

Ainda sem mínimos para os Jogos de Tóquio, que deverão decorrer entre 25 de agosto e 6 de setembro, Lenine Cunha vive, como muitos atletas, a incerteza de não saber quando se realizarão as provas que permitem a obtenção de marcas.


“O mínimo no comprimento está fixado nos 6,65 e tem de ser feito até 30 de junho, mas agora não tenho provas para tentar fazê-lo”, revela Lenine Cunha, detentor de 211 medalhas em competições internacionais.

Com toda situação criada pela pandemia da Covid-19, que já se alastrou a mais de 182 países e territórios, Lenine Cunha teme também que estejam em causa dois campeonatos Europeus de atletismo agendados para junho: o do Comité Paralímpico Internacional, na Polónia, e da Federação Internacional para Atletas com Deficiência Intelectual (INAS), na Rússia.

“Estas eram provas onde se podiam obter mínimos, não sabemos se vão realizar-se”, explica, lembrando que “neste momento é tudo uma grande incerteza”.

Lenine Cunha admite que as atuais restrições impostas pelo combate à propagação do novo coronavírus complicam muito a vida de todos os atletas de alta competição.

“É muito difícil para todos, os fundistas e meio fundistas têm de correr na rua sozinhos e para as disciplinas técnicas é ainda pior”, considera.

O atleta, que, além de ter participado em Londres2012, esteve nos Jogos Paralímpicos Sidney2000 e Rio2016, assegura que vai continuar a trabalhar focado em Tóquio, mas estima que, “tendo em conta a atual situação”, por agora tudo é “incerto”.

A pandemia da covid-19 tem levado ao cancelamento de inúmeros eventos desportivos, mas o comité organizador dos Jogos Olímpicos e dos Jogos Paralímpicos Tóquio2020 continua a garantir que os dois eventos, agendados para os meses de julho, agosto e setembro, vão realizar-se.


Observador
70
Notícias de saúde / Re: Tudo relacionado com o Coronavírus
« Última mensagem por Oribii em 21/03/2020, 16:12 »
Associações de Paralisia Cerebral pede proteção para pessoas com deficiência

As associações alertam para o facto de grande parte das pessoas com deficiência dividirem o seu tempo entre a sua casa e Centros de Atividades Ocupacionais, muitos deles neste momento encerrados.

    Agência Lusa
    Texto

20 Mar 2020, 17:04
▲A Federação pede que seja comunicado às pessoas com deficiência e aos seus cuidadores toda a informação relacionada com a Covid-19

PAULO NOVAIS/LUSA

Enquanto dormia - o Miguel Pinheiro ou a Filomena Martins preparam para si um guia resumido do que se passa, logo de manhã pelas 9h00, todos os dias úteis.


A Federação das Associações Portuguesas de Paralisia Cerebral (FAPPC) recomendou esta sexta-feira ao Governo medidas direcionadas às pessoas com deficiência, pedindo-lhe que “não as deixe desprotegidas” e as considere grupo de risco no âmbito de medidas de combate à covid-19.

    “Neste momento é importante que as pessoas não sejam esquecidas como grupo de risco e tenham acesso a comunicação acessível. E que os familiares tenham acesso a uma linha direta para que as suas preocupações sejam atendidas e suas dúvidas dissipadas”, defendeu, em declarações à agência Lusa, o presidente da FAPPC, Abílio Cunha.

O dirigente somou às necessidades “urgentes” uma “clarificação” sobre como está e vai decorrer o apoio domiciliário no cenário de estado de emergência em que o país se encontra devido à pandemia, recordando que grande parte das pessoas com deficiência divide o seu tempo entre a sua casa e Centros de Atividades Ocupacionais, os chamados CAO, muitos deles neste momento encerrados. “Estas pessoas não podem ficar desprotegidas”, frisou Abílio Cunha.

Já em comunicado, a FAPPC refere que “especialistas nacionais e internacionais das áreas da saúde e da deficiência estão a solicitar aos diferentes governos que implementem urgentemente ações de resposta direcionadas às pessoas com deficiência, às suas famílias e ao setor dos serviços e instituições que prestam apoio a esta população, tendo em conta a covid-19”.
Tem dúvidas sobre o coronavírus? Informe-se aqui.

A federação pede que seja garantido que todas as instituições que prestam serviços relacionados com a covid-19, incluindo os testes de diagnóstico, estejam acessíveis, e que isto seja claramente comunicado às pessoas com deficiência e aos seus cuidadores.

    Reforçar a disponibilidade de consultas por videoconferência ou por telefone, que incluam os apoios de saúde especializados orientados para as pessoas com deficiência ou criar uma linha direta dedicada às pessoas com deficiência, às suas famílias e aos serviços e instituições de apoio à deficiência”, são outras das reivindicações.

A federação também pede que esteja previsto que as pessoas com deficiência, principalmente quando em quarentena, tenham acesso rápido ao apoio necessário e pede acesso e sem custo a equipamentos de proteção individual, incluindo máscaras e desinfetantes.

O rápido reforço das orientações dadas aos cuidadores de instituições, nomeadamente das unidades residenciais, para o controle de infeção, ou a criação de uma reserva de pessoas que permita um recrutamento rápido para prestar cuidados a pessoas com deficiência, são outras das recomendações.

A FAPPC alerta, ainda, que alguns cuidadores e funcionários de instituições habituais podem ter de se ausentar para cuidar de seus familiares, situação que poderá significar, lê-se na nota, “o pagamento temporário a outros cuidadores que prestem cuidados à pessoa com deficiência”

    Desenvolver um plano coordenado, implementado através das Comissões de Proteção de Crianças e Jovens, bem como de idosos, para lidar com o potencial aumento da violência, abuso e negligência contra pessoas com deficiência, devido ao isolamento social e à interrupção das atividades de vida diárias” é outra das sugestões descrita pela FAPPC.

Esta instituição quer ainda que seja garantido que “os serviços e as instituições que prestam apoios especializados não essenciais permanecem financeiramente sustentáveis, tendo em conta a suspensão temporária das suas atividades” e pede que seja garantido que “as pessoas com deficiência que ainda não têm apoio das instituições a elas direcionadas, mas vulneráveis à covid-19, recebam os apoios de que necessitam”.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou esta sexta-feira o número de casos confirmados de infeção para 1.020, mais 235 do que na quinta-feira, o número de mortos para seis.[/size]


Fonte: Observador
Páginas: 1 ... 5 6 [7] 8 9 10


Anuncie Connosco Anuncie Connosco Stannah Mobilidade S.A Anuncie Connosco Anuncie Connosco


  •   Política de Privacidade   •   Regras   •   Fale Connosco   •  
       
Voltar ao topo